Xavier Simons, que estreou no time principal do Chelsea no embate contra o Brentford pela Carabao Cup, assinou um novo contrato com os Blues de acordo com o setorista Adam Newson do soccer.london. Seu contrato atual vence no dia 30 deste mês e, sendo uma das grandes promessas para o futuro do clube, a renovação é uma boa notícia. Ainda mais com outras equipes da Premier League tendo interesse em contratá-lo.

Caminho no clube

Simons chegou a Cobham em 2016 vindo do Brentford, depois de os Bees terem encerrado sua Academia. Brand em sua temporada de estreia, foi capitão da equipe sub-16 que conquistou a Copa da Liga da categoria. Além disso, fez duas aparições na equipe sub-18 na temporada.

Em 2019, assinou seu primeiro contrato profissional com os Blues e estreou na UEFA Youth League. Naquela temporada, fez 23 aparições e marcou dois gols. Porém, no início da temporada 2020/21, o meio campista sofreu uma lesão no joelho que o afastou dos campos pelo restante da temporada.

Voltando com regularidade na temporada passada, foi escolhido por Andy Myers como um dos capitães do time de desenvolvimento tanto na Premier League 2 como na UEFA Youth League. Nesse sentido, em 2021/22, foram 30 aparições com duas assistências e um gol marcado. A princípio, pode parecer pouco. Porém, a importância tática do jogador foi notável ao longo de toda campanha.

Enfim, Simons teve sua primeira oportunidade no primeiro time do Chelsea nas quartas de last da Copa da Liga, atuando por 65 minutos até ser substituído por Reece James. O jovem, por mais uma vez, fez parte do plantel de Tuchel, mas não entrou em ação no confronto com o Chesterfield pela FA Cup.

Simons em ação contra o Brentford (Reprodução: soccer.london)

Dentro de campo

Apesar de ser meio campista de origem, atuando mais como volante, Simons também atua pelo lado direito. Seja como ala meio-campista ou até mesmo como lateral direito. Inclusive, na partida em que debutou sob o comando de Tuchel, o camisa 54 jogou como ala pela faixa direita do campo. Ou seja, exercendo a função tática de Reece James. E fazendo com muita qualidade durante os minutos em que esteve em campo.

Pelo time de desenvolvimento, por sua vez, atuou a grande parte dos jogos pelo meio campo, exercendo uma função mais defensiva. No entanto, também contribuindo para o controle e distribuição da posse de bola. Atuando como meio campista central, o jovem também tem mais liberdade para seguir ao ataque, o que faz com bastante qualidade devido ao seu controle de bola.

Quando atua pelos lados, sua função se torna muito parecida com a de James sob o comando de Tuchel. De modo que ele consegue combinar seus atributos defensivos e ofensivos. Tanto é que suas assistências na temporada foram todas quando jogava pelas faixas laterais.

Desse modo, com a importância crescente de alas meio-campistas no elenco para favorecer o atual esquema da equipe principal, a permanência de Simons nos Blues é um ótimo sinal. Até por conta da liderança que ele exerce no elenco da equipe de desenvolvimento. A expectativa é de que essa influência perpasse as categorias de base – principalmente por ser um desejo do jogador.

Saídas confirmadas

Diferentemente de Simons que seguirá com os Blues, outros jogadores que escalaram pelas categorias de base deixarão o clube neste verão. De pronto, o atacante Thierno Ballo, o meia George McEachran e o goleiro Karlo Žiger são nomes confirmados que se despedirão do clube. Além disso, Charly Musonda, que passou a temporada se recuperando de lesão, anunciou que deixará o time antes mesmo do fim da temporada.

Por fim, Andreas Christensen e Jake Clarke-Salter que foram grandes campeões enquanto jogadores das equipes da Academia também deixarão o Chelsea. Ambos optaram por não renovar seus vínculos com a equipe londrina.

 

 



Londonlad
Author: Londonlad

Leave a Reply